Provocando Ideias

Compartilhe: Compartilhe esse texto em suas redes sociais:

Compartilhe esse texto
em suas redes sociais:

Correndo muito, fazendo pouco

Correndo muito, fazendo pouco

Amigos, não ter tempo pra mais nada e viver uma vida super agitada parece que virou uma epidemia. "Estou correndo muito". Essa é uma resposta comum e frequente quando recebemos a protocolar pergunta de como estão às coisas. Naturalmente a resposta “ESTOU CORRENDO MUITO" antes de qualquer outro, carrega  o significado de agenda cheia, de muitos compromissos, de sermos  pessoas solicitadas e importantes, uma resposta que vem carregada de um certo orgulho.
Correr muito virou quase uma obrigação,  uma questão de status. Uma resposta "inteligente”, pois vivemos um mundo que muda muito e o tempo todo. Mas até que ponto “correr muito” faz bem? Até que ponto alguém que corre muito trabalha melhor e consegue mais resultados? 
Creio que “estou correndo muito“ é uma resposta, ás vezes dada mais por hábito  do que qualquer outro motivo, mas pode esconder uma grande e fatal armadilha. Confundirmos movimento com resultados, confundirmos agenda cheia com agenda produtiva.
Para piorar um pouco mais, acreditamos que existe um certo pecado em pararmos um pouco e ou de andarmos a passos, um pouco mais devagar. No fundo gostamos de correr muito, por que dessa forma acreditamos que estamos fazendo o que devemos fazer. Talvez um grande engano.
Podemos estar correndo muito para a direção errada,  ou correndo muito para não termos como nos defrontar com a realidade de não sabermos exatamente quais as coisas certas a fazer. Por tanto, cabe sempre perguntar para onde estamos indo com tanta pressa e o que estamos conseguindo com tudo isso.
É preciso aprender que ter um tempo contemplativo, um tempo de análise e avaliação para não cometermos erros, é muito importante para “sentir a vida". Quando percebemos que “o ficar à toa” e muito diferente  de “ser à toa”  nos reconciliamos com o “andar mais devagar para chegar mais longe”. Os xintoístas falam  muito na "passividade ativa”. Olhar tudo que nos envolve com mais tempo e carinho. Na postura contemplativa, vivendo com coragem e firmeza, elegância e sabedoria. Não correr feito louco não significa ficar parado, estagnado, improdutivo.
Por isso da próxima vez que algum lhe perguntar como estão as coisas, não tenha medo. Responda em alto e bom tom que você esta andando firme e forte na velocidade certa para não ter que parar nunca. Quem corre demais não tem tempo de viver bem a vida. Devagar e sempre em frente!

Pense nisso, melhore sempre e tenha muito sucesso!

Prof. Jair

 


Texto de autoria do Prof Jair Santos - Palestrante e Consultor Corporativo - Apresentador na Rádio CBN|SC e TransAmérica Hits Litoral do quadro diário Construindo Conhecimento. | www.profjair.com.br. Respeite o autor mantendo os devidos créditos. Não praticamos SPAM.Para remover seu e-mail - responda: advendor@advendor.com.br - Assunto da Mensagem: Descadastrar

 Compartilhe: Compartilhe esse texto em suas redes sociais:

Compartilhe esse texto
em suas redes sociais:

Voltar